domingo, 29 de junho de 2008

Buscando a paz...

"Onde já se viu o mar apaixonado por uma menina?
Quem já conseguiu dominar o amor?
Por que é que o mar não se apaixona por uma lagoa?
Porque a gente nunca sabe de quem vai gostar..." (TM)


E o final de semana começava... Meio inesperado, meio previsível...
Se não fosse a "visitinha de um amigo carrapato", a sexta-feira por si só já prometia ser uma noite somente romântica e nada mais...
Num bar que costumamos freqüentar a trilha sonora nos inspirava: Gotan Project.
Aquela não seria uma noite etílica... Apesar da trilha pedir um vinho, sabíamos que não seria preciso. E não foi...
Chegou o sábado. E o final de semana que tinha começado tão bem acabaria não se sabe como. Eu começava a me despedir de dias puramente românticos quando resolvi aceitar um convite.
Um convite para apreciar uma Festa Caipira em Maripá (que redundância!) foi feito. E minha fraqueza cultural me traiu: não resisti, peguei a estrada.
E de repente Gotan e toda a sua inspiração foi ficando pra trás... Eros acenava me chamando de volta e dei as costas... Baco insistia em me apresentar suas especiarias e o ignorei.
Mais uma vez me acabei me infiltrando num universo paralelo: o das cidades rurais.
A tranqüilidade do campo, o dia típico de inverno, o cheiro de mato, os abraços calorosos, o bate-papo manso, a comida gostosa, os doces de frutas... a tv muda, a ausência de internet, o celular desligado... a companhia adorável mostrando sua intimidade com aquele cenário... tudo me dizia que a paz sim existia e que ela estava bem mais perto do que eu imaginava.
Mas de repente, eu fui cansando. Todo aquele bucolismo foi me entediando. O lindo dia de inverno foi ficando verdadeiramente gelado. A "festa na roça com o casamento caipira" tornou-se cômica, mas só eu ria. Ria tanto, ria de nervoso! Achei por um instante que seria apedrejada em praça pública e pelo público que se auto-ridicularizava. O bate-papo manso começou a se tornar perverso, típico de quem não tem nada para fazer além de falar mal da vida alheia. Uma falsa discussão política se instalou no meio dos grupinhos, mas na verdade todos queriam ver quem era que tinha se dado mais mal na vida ou quem seria o próximo.
Um mal estar foi tomando conta de mim. E eu nem tinha bebido. Talvez fosse isso. Uma cervejinha na cabeça muitas vezes ajuda a camuflar uma situação.
Tudo bem! A gente também fala mal dos outros na cidade grande e a gente até discute sobre a política alheia, mas também falamos da cotação da bolsa, da queda do dólar, da última estréia nos cinemas, do último som das pistas, da próxima viagem que queremos fazer, do próximo eletrônico que queremos comprar, das últimas tendências da moda e das decorações. Vamos a museus, vamos a teatros, freqüentamos restaurantes típicos, temos onde estreiar nossas roupas novas.
Falamos até de como é bom curtir um passeio no campo, mas só! Só curtir! Pra descansar, pra colocar o pé na terra, pra comer fruta no pé, pra sentir o cheiro de ar fresco, pra dormir sem barulho de trânsito, pra sentir que a paz sim existe e que ela está bem mais perto da gente do que imaginamos. A paz está na gente, lá dentro, no coração mesmo. Ela surge quando estamos bem! Na roça ou na cidade grande.
Basta a gente estar bem...
Um pouco melancólica, findando a tpm, volto pra casa. Um pouco saudosa vou vendo as curvas da estrada deixando para trás aquele povoado e um "perdido" no meio dele. Um pouco impotente por querer, e saber que não é o certo, transformar esse "perdido", ou me adaptar a ele, vou voltando ao meu mundo. Um pouco frustrada por reconhecer a distância entre esses universos paralelos, e entre os seres que neles habitam, tento fazer as pazes pelo menos com Gotan. (Eros e Baco deixo pro meio da semana. Eles são bem mais sensíveis). E ao som deste tango eletrônico vou tentando colocar um pouco de paz na minha vida, pra encerrar o final de semana bem, pra encarar mais uma semana da agitada cidade grande, pra querer daqui a quatro dias buscar um pouco de sossego no campo!

P.S. Pra quem ficou curioso e quer conhecer um pouco mais do Gotan Project esse é o site oficial:
http://www.gotanproject.com/ e pra quem já ouviu alguma coisa sobre e não está lembrando muito bem onde foi eles fizeram parte da trilha sonora do filme Dança Comigo? (Shall We Dance - Miramax)


2 comentários:

Edu disse...

Lendo seu texto me vem em mente uma coisa: "Preciso de uns quatro dias de doses de uma cidade grande", a felicidade está dentro de mim, mas às vezes na calmaria da vida, ela se repousa e esquece de demonstrar sua cara...Talvez a cidade grande volte a despertá-la e a gente redescubra que existimos.

Tiça disse...

Que bom que agora vc me entende... rs! E eu não sou louca né? Rs!