segunda-feira, 31 de março de 2008

Voodoo


Thank God!

Simplicidade

Luís Fernando Veríssimo (Dizem que é dele!)

Cada semana, uma novidade. A última, foi que pizza previne câncer do esôfago. Acho a maior graça. Tomate previne isso, cebola previne aquilo, chocolate faz bem, chocolate faz mal, um cálice diário de vinho não tem problema, qualquer gole de álcool é nocivo, tome água em abundância, mas, peraí, não exagere...
Diante desta profusão de descobertas, acho mais seguro não mudar de hábitos.
Sei direitinho o que faz bem e o que faz mal prá minha saúde.
Prazer faz muito bem. Dormir me deixa 0 km. Ler um bom livro, faz-me sentir novo em folha.
Viajar me deixa tenso antes de embarcar, mas, depois, rejuvenesço uns cinco anos! Viagens aéreas não me incham as pernas; incham-me o cérebro, volto cheio de idéias!
Brigar, me provoca arritmia cardíaca. Ver pessoas tendo acessos de estupidez, me embrulha o estômago!
Testemunhar gente jogando lata de cerveja pela janela do carro, me faz perder toda a fé no ser humano...
E telejornais... Os médicos deveriam proibir... como doem!
Caminhar faz bem, namorar faz bem, dançar faz bem, ficar em silêncio quando uma discussão está pegando fogo faz muito bem: você exercita o autocontrole e ainda acorda no outro dia sem se sentir arrependido de nada.
Acordar de manhã, arrependido do que disse ou do que fez ontem à noite, isso sim, é prejudicial à saúde.
E passar o resto do dia sem coragem para pedir desculpas, pior ainda.
Não pedir perdão pelas nossas mancadas, dá câncer, guardar mágoas, ser pessimista, preconceituoso ou falso moralista, não há tomate ou muzzarela que previna!
Ir ao cinema, conseguir um lugar central nas fileiras do fundo,não ter ninguém atrapalhando sua visão, nenhum celular tocando e o filme ser espetacular, uau!
Cinema é melhor prá saúde do que pipoca.
Conversa é melhor do que piada.
Exercício é melhor do que cirurgia.
Humor é melhor do que rancor.
Amigos são melhores do que gente influente.
Economia é melhor do que dívida.
Pergunta é melhor do que dúvida.
Sonhar é o melhor de tudo e muito melhor do que nada!

AMANDO-SE...

(Autor Desconhecido)

Uma senhora fazia feira há mais de 20 anos pensando nas coisas fresquinhas que iria levar para o marido, para o filho mais velho, para o filho do meio, e para a caçulinha.
Um dia, ela foi surpreendida pela pergunta do feirante:
- E para a Senhora, o que vai levar?
Ela foi até em casa pensando nos jilós que há muitos anos não comprava, apesar de adorar. Ela nunca comprava o danado do jiló, pois ninguém em sua casa gostava. Nesse dia ela voltou para a feira e comprou um monte de jiló fresquinho. Preparou com gosto como se fosse para uma rainha, e comeu com mais gosto ainda, sentindo-se a própria rainha.

Quantos jilós deixamos de comer para agradar essa ou aquela pessoa? Quantas coisas boas deixamos para trás em nome do amor? Quantos sapos engolimos, e às vezes, até humilhações sofremos calados. Tudo em nome do amor.

Sei lá que raio de amor é esse, amor de peixe podre: quando mexe fede, quando frita faz mal?

Tenho andado pelas ruas e continuo vendo as pessoas de olhar baixo, olhos cansados, semblante pesado.
Parece que as pessoas estão esperando algo acontecer para serem felizes. Ouço muitos suspiros!

As pessoas afirmam que se tivessem mais dinheiro, seriam felizes, se tivessem alguém para amar seriam felizes, se tivessem um emprego seriam felizes...

De outro lado, vejo pessoas com muito dinheiro com muito medo de perderem o que conquistaram, com medo de sair na rua, com medo de seqüestro, tomando "sono em caixinhas de remédios ".

Vejo casais brigando por cada besteira, ciúmes, paranóias, desgaste de relações, filhos abandonados, incompreensão... Gente empregada reclamando do chefe, do salário, do lugar, da cadeira, dos amigos da mesa ao lado...

E, o tempo passando... escorrendo como areia fina pelos dedos. As oportunidades passam na nossa vida e nem damos bola! Estamos ocupados demais em atender a esse ou aquele pedido dos outros, estamos nervosos demais na reclamação, na angústia, na incompreensão dos outros.
Continuamos colocando sonhos malucos em nossa cabeça sem avisar as partes interessadas.

Por fim, não acreditamos que a felicidade está na nossa porta: que está dentro de nós agora, que podemos comer jiló quando quisermos, que podemos não querer jiló nessa hora.
Somos donos do nosso nariz, se quebrarmos a cara em uma tentativa qualquer, somos nós que temos que nos levantarmos, tirar o aprendizado da experiência e tocar o barco.

Olha, a sua vida é um barquinho, sua vontade são os remos, os desafios são os rios turbulentos. Para avançar seu barquinho e alcançar um porto seguro (ser feliz), é preciso gostar de seu barquinho, cuidar dele com carinho. Imagine se o seu barco estiver com o casco furado? Você não vai chegar em lugar nenhum!

Por isso repito sempre: cuide primeiro do seu barquinho (sua vida). Quando ele estiver forte, bonito e preparado para vencer os rios, você poderá rebocar todos os que estiverem "perdidos pelo caminho".

Ah, e se você tiver vontade de comer jiló, vá à feira, escolha os mais bonitos e coma até se lambuzar!!!

Sobre datas marcantes...

(... mesmo que não sejam datas para se comemorar no sentido literal!)

Não tem como negar... Não tem como fugir... A cabeça passa e repassa sobre algumas datas e acontecimentos da nossa vida...
Fazer o quê?!
Faz parte!
Mas não precisamos ficar comentando e comentando e comentando... Foi!

Mas acessando o Personare, e retirando a Carta do Dia no tarô, me vem a seguinte mensagem:


Carta do Dia: O Ceifador
A importância de deixar ir

Cultivar o desapego é um dos conselhos fundamentais dado pelo arcano chamado “O Ceifador”, Ana. Existem momentos da vida em que somos desafiados a perder cascas, a compreender a importância de caminhar, deixando paisagens para trás. Ainda que isso doa, uma vez que nosso ego se estrutura a partir de apegos e identificações, é a compreensão meditativa de que tudo passa que lhe permitirá seguir caminhando e, enfim, abrir-se ao novo que belamente se introduz em sua vida, pouco a pouco, passo a passo, até que você apareça com a alma totalmente renovada. Procure se interiorizar neste momento, evitando grandes atividades sociais. Faça este contato com o núcleo da sua alma e você entenderá quais são as coisas que precisam ser deixadas para trás.

Conselho: Viver é perder cascas continuamente!

Aí eu paro e penso: no final, sou ou não sou uma pessoa privilegiada?! Rs!

domingo, 30 de março de 2008

A Trupe Vem Aí!



Há quase um ano, num momento muito especial da minha vida, eu tive o privilégio de ser apresentada a um dos trabalhos culturais mais emocionantes dos últimos tempos.

Emocionante porque num cenário musical que a gente vem vivendo, onde dia após dia surge um novo DJ e sua nova popozuda, ou então uma dupla que de caipiras não tem nem o nome, ou por fim marombeiros armados que saem das academias direto para os trio-elétricos, e de repente surge uma turma de amigos fantasiados de palhaços, malabaristas e trapezistas, bailarinas e bonecas de panos dispostos a mostrar um "sarau amplificado onde tudo pode acontecer" na mistura de música, poesia e apresentações circenses - O Teatro Mágico! isso é quase utópico!

Até hoje eu só tive a oportunidade de conhecer o trabalho musical do grupo, ainda não pude participar de nenhuma apresentação ao vivo. Mas como anjos existem e como eles fazem milagres, essa semana tivemos a notícia de que a Trupe vem aí!, ou melhor, vem aqui! Na minha cidade! E vem numa situação muito interessante: na festa da Calourada Unificada da UFJF.

Tudo bem que, há quase doze anos, eu e meus amigos não curtimos mais o cenário universitário e muito menos seus corações estudantis, mas já estamos alucinados para amanhecer o dia 11 de abril, que como diz Iaiá - "amanhecerá brilhando mais forte!" Desde que a notícia chegou aos nossos ouvidos (e emails, e msns, e celulares...) nós já nos armamos dos nossos narizes de palhaço, de nossas camisetas personalizadas, de toda nossa alegria, de toda nossa poesia e de toda nossa força de viver para curtir esse momento!

E para ajudar na contagem regressiva deixo aqui uma amostra do que esses audaciosos artistas farão com a nossa vida "de hoje em diante":

Sintaxe À Vontade
(Fernando Anitelli)


Sem horas e sem dores
Respeitável público pagão
a partir de sempre
toda cura pertence a nós
toda resposta e dúvida
todo sujeito é livre para conjugar o verbo que quiser
todo verbo é livre para ser direto e indireto
nenhum predicado será prejudicado
nem tampouco a vírgula, nem a crase nem a frase e ponto final!
afinal, a má gramática da vida nos põe entre pausas, entre vírgulas
e estar entre vírgulas pode ser aposto
e eu aposto o oposto que vou cativar a todos
sendo apenas um sujeito simples
um sujeito e sua oração
sua pressa e sua verdade,
sua fé
que a regência da paz sirva a todos nós... cegos ou não
que enxerguemos o fato
de termos acessórios para nossa oração
separados ou adjuntos, nominais ou não
façamos parte do contexto da crônica
e de todas as capas de edição especial
sejamos também o anúncio da contra-capa
mas ser a capa e ser contra-capa
é a beleza da contradição
é negar a si mesmo
e negar a si mesmo
pode ser também encontrar-se com Deus
com o teu Deus
Sem horas e sem dores
Que nesse encontro que acontece agora
cada um possa se encontrar no outro
até porque...
tem horas que a gente se pergunta...
por que é que não se junta
tudo numa coisa só?


P.S. Acabo de confirmar minha presença no show sertanejo Victor & Léo... Ai ai ai! Vai me entender!

quinta-feira, 27 de março de 2008

Pedala "Robinha"!

video

Shhhhhh!





"Se a palavra é prata, o silêncio é ouro..."

quarta-feira, 26 de março de 2008

Eternamente juntas!

O importante é continuarmos sempre amigas...







Eternamente juntas!

terça-feira, 25 de março de 2008

Meu Reino

(Biquini Cavadão)

Atrás da porta
Guardo os meus sapatos
Na gaveta do armário
Coloco minhas roupas
Na estante da sala
Vejo muitos livros
E a geladeira conserva o sabor das refeições
Minha casa é meu reino

Mas eu preciso de outros sapatos
De outras roupas, outros temperos
Para formar minhas ideias e meus sentimentos
Eu sou a soma de tudo que vejo
E minha casa é um espelho
Onde a noite eu me deito e sonho com as coisas mais loucas
Sem saber porque

É porque trago tudo de fora
Violência e dúvida, dinheiro e fé
Trago a imagem de todas as ruas por onde passo
E de alguém que nem sei quem é
E que provavelmente eu não vou mais ver
Mas mesmo assim ela sorriu pra mim
Ela sorriu e ficou na minha casa que é meu reino

É porque trago tudo de fora
E minha casa é um espelho
Trago a imagem de todas as ruas
Eu sou a soma de tudo que vejo
Mas mesmo assim, ela sorriu pra mim
Ela sorriu e ficou na minha casa que é meu reino

segunda-feira, 24 de março de 2008

Falar de Minas...


Dias atrás recebi um desafio. Quem acompanha o Blog já sabe qual foi.
Pra quem não sabe, o Dan, meu novo amigo baiano, sugeriu que escrevêssemos um pouco sobre nossos Estados.
Num primeiro momento pensei: vai ser moleza! Escrever sobre Minas! Minas Gerais! Vivo aqui desde que nasci!
Mas agora me deparo com um grande dilema: será Minas tão diferente e tão único assim?!
Tão fácil de se descrever e tão difícil de ser comparado com os outros Estados?!
A resposta é: não sei...
Mas vou tentar!

Minas Gerais... Mas deveria ser simplesmente “Minas”! Terra das montanhas! Isso não temos como negar! Pra onde você olha aqui você vê um morro, um monte, uma colina, uma montanha! Você já sobrevoou nossas terras?! É um tapete desregular! Mas tudo verdinho! De vários tons! Qualquer coisa que possa ser considerada elevação pertence ao Estado de Minas Gerais! E isso não significa que o mineiro quer ser superior, quer estar sempre no alto. Isso nos mostra que queremos sempre crescer, ir além, não desistir, não parar nunca! E haja fôlego nessa nossa escalada!

E sobre a ausência do mar?! Essa é uma questão que perturba muitos sonos mineiros (e porque não “sonhos”!). Minas não tem mar... Aquele mundaréu de água, de todas as cores, de vários sabores e nadica pra gente... Por isso a mineirada fica louca com um feriado prolongado ou férias em família. E ninguém se importa e pegar uma estrada e viajar sete, dez, quinze horas para se deparar com essa maravilha que Deus criou – o mar! E o mineiro muito menos se irrita quando escuta de um desconhecido “chegou a farofada”! Porque mineiro que é mineiro vai pra praia em bando! Em turma! Mineiro acha um desperdício curtir isso tudo sozinho! Vai, torra no sol, rala na areia, toma todas e toma “caixote” no rasinho, dança ao som do sertanejo no quiosque da orla, junta as tralhas e volta pra casa feliz da vida! Mais sete, dez, quinze horas de estrada... Já fazendo as contas de quando será o próximo feriado.

Mas Minas tem seus rios e cachoeiras, além de seus parques florestais. E tem suas serras e seus vilarejos na serra... Eita trem bão, sô! No inverno, então! Haja lareira e choconhaque pra esquentar esse povo! Cachecol, gorro e meia de lã! Ou então só um moleton, um amor e uma dose de cachaça! Claro que de um jeito ou de outro estaremos reunidos ao redor de uma fogueira ouvindo um bom violão!

Por falar em fogueira, não podemos deixar de lado nossas Festas Juninas – ou, para muitos, Festas Caipiras – que a princípio deveriam acontecer em junho, mas a mineirada, mansinha, que come quieto, foi esticando, esticando e já faz a festa durar até agosto! Pra felicidade dos comilões de plantão. Porque as festas têm quadrilha, casamento na roça, moda de viola, brincadeiras em volta da fogueira, bandeirinhas coloridas e balões. Mas aqui Santo Antônio, São João e São Pedro são festejados é com muita comida: arroz doce, canjica, maçã do amor, paçoca, pipoca, canjiquinha, vaca atolada, feijão amigo, churrasquinho, milho verde e batata doce na fogueira, quentão.

E já que o assunto tendeu para as comidas, o que falar da tradicional comida mineira? Fale o que quiser, mas fale bem porque pro mineiro não há comida melhor no mundo! Pode soltar um mineiro em qualquer lugar desse mundão de meu Deus que ele vai dizer: “Hum! Queria mesmo, agorinha, era um prato de feijão, arroz, angu, torresmo e couve...” Sá Senhora, Benza! E por aí vai: feijão tropeiro, frango ao molho pardo, frango com ora-pro-nobis, frango com quiabo (haja galinheiro!), leitoa assada, feijoada, tutu, dobradinha com feijão branco, rabada, língua com purê de batata, sem falar no nacionalmente conhecido – e totalmente indispensável – pão de queijo! (Ai meu Deus, minha boca ta cheia d’água!). E os doces então?! Claro, todos feitos de frutas frescas apanhadas no pomar ou do leite da "Mimosa": doce de laranja da terra, doce de mamão, de cidra, de figo, de leite cremoso e pastoso... e agora, pra matar do coração um bom mineiro, Romeu e Julieta – aaaaaaaah! – o famoso queijo com goiabada... Ah! Com um detalhe! Se tiver como, é tudo do quintal de casa! As galinhas e os ovos, os porcos, a vaca e seu leite, as frutas, as árvores para a lenha do fogão... Nas nossas terras cabem isso tudo e um pouco mais.

Ei! Ainda tem um espaço aí prum cafezinho, uns biscoitinhos de polvilho ou de nata ou uma broinha de fubá?! Tem?!

E vocês acham que só tem mineiro gordo?! Num tem nada! Só uns safadinhos! Rs! Porque mineiro come bem e até tira a sesta da tarde, mas mineiro trabalha e muito, de sol a sol. E como anda a pé! Mesmo com essa quantidade de subidas e descidas. Qualquer lugar prum mineiro é logo ali! E é de verdade! Pro mineiro longe é um lugar que não existe... Mineiro acompanha procissão, mineiro acompanha até enterro! Talvez porque o mineiro não perdeu a fé... a fé no trabalho, a fé no próximo, a fé no futuro, a fé de que tudo é possível – a Fé no Senhor!

Minas também tem futebol com o seu Atlético e o seu Cruzeiro e todos os outros... Tem artistas do cenário musical conhecidos internacionalmente com o seu Milton Nascimento, seu Clube da Esquina, seu Skank e todos os outros... Tem cidades grandes como Belo Horizonte, Juiz de Fora, Uberlândia e todos os seus concretos... Tem suas cidades universitárias e seus corações de estudantes... Tem suas cidades históricas como Ouro Preto, Mariana, Tiradentes e toda a sua História... Mas mais do que qualquer cenário ou comida típica que possa caracterizar nosso Estado, Minas tem seu povo – o mineiro!

Povo que ainda escuta o barulho e vê a fumaça do trem, perto ou longe da estação... Que ainda lê seus clássicos conterrâneos Guimarães Rosa, Fernando Sabino, Drummond... Que gira com o Gira Mundo... e se emociona com o Galpão... Povo esse que ainda joga dama na praça, que coloca as cadeiras na rua em frente de casa pra ver a criançada jogar bolinha-de-gude, soltar pipa ou brincar de boneca de pano... Que proseia pro tempo passar e chegar a hora da novela... Que ouve rádio AM e toda a programação sertaneja! Que tricota a lã e borda no tecido... Que sonha... Que é amigo... Que ajuda o próximo... Que é irmão! Que pede pro vizinho uma xícara de açúcar pra fazer a calda do pudim de leite condensado... E em troca leva uma bacia cheia de abacates apanhados no quintal! Que ainda consegue olhar pro céu à noite e vê uma noite estrelada! E olhando pra primeira estrela ainda diz: “primeira estrela que eu vejo, me dê tudo que eu desejo"! Que pede o pai da moça pra namorar com ela e que namora na varanda. Que anda de mão dada e apanha flores... Povo que reza, se não todo dia, pelo menos todo domingo! E depois vai pra feira! Que ri baixinho, com a mão no rosto... Que sabe desejar bom dia, boa tarde, até logo, fica com Deus! Que dá um boi pra não entrar numa briga, mas dá uma boiada pra não sair dela! Que não tem pressa, porque sabe que o que é pra ser vivido tem que ser muito bem vivido!

(Bem, Dan, isso é um pouquinho de Minas... Não sei se valeu, mas já sinto que parte do desafio foi cumprido!
Aos meus amigos conterrâneos peço que fiquem à vontade para fazerem suas complementações!
Agora fico esperando a continuação da nossa "brincadeira"!)

Hoje é seu dia!

Que dia mais feliz!


Sarinha!
Parabéns pra você,
Nesta data querida,
Muitas felicidades,
Muitos anos de vida!

É big! É big! É big! É big! É big!
É hora! É hora! É hora! É hora! É hora!
Ra! Tchim! Bum!
Sarinha! Sarinha! Sarinha!

A chuva cai!
A rua inunda!
Ô Sarinha eu vou comer seu bolo!

Aha! Uhu!
Ô Sarinha eu vou comer seu bolo!

Hahahahahahahahahah!

Amiga, deixando a brincadeira de lado, queria era estar aí com você e poder comemorar! Toda a sua felicidade! Todas as suas conquistas! Toda a sua vitória de chegar aos 30!
Ah! E eu não poderia deixar de dizer que queria estar aí para comer um pedaço de bolo bem gostoso e um montão de brigadeiros!
Como te disse mais cedo, te desejo que este novo ano seja muito melhor do que o ano que passou! Que hoje seja o primeiro dia do resto de sua vida!
Que você seja muito, mas muito mesmo, feliz!

Beijos da sua "anja"!

quinta-feira, 20 de março de 2008

O SOTAQUE DAS MINEIRAS

Dan! Ainda não tá valendo o nosso desafio, não, tá?!
Mas é só pra você ficar com um gostinho de quero mais!
Olha que texto interessante!
E eu assino embaixo: somos assim mesmo!

Felipe Peixoto Braga Netto (1973) afirma que não é jornalista, não é publicitário, nunca publicou crônicas ou contos - não é, enfim, literariamente falando, muita coisa, segundo suas próprias palavras. Paulistano, mora em Belo Horizonte e ama Minas Gerais. Ele diz que nunca publicou nada, mas a crônica que abaixo foi extraída do livro "As coisas simpáticas da vida", Landy Editora, São Paulo (SP) - 2005, pág. 82. , diz muito:

O SOTAQUE DAS MINEIRAS
(F.P.B. Netto)

O sotaque das mineiras deveria ser ilegal, imoral ou engordar... Afinal, se tudo que é bom tem um desses horríveis efeitos colaterais, como é que o falar, sensual e lindo das moças de Minas ficou de fora?
Porque, Deus, que sotaque! Mineira devia nascer com tarja preta avisando: "ouvi-la faz mal à saúde". Se uma mineira, falando mansinho, me pedir para assinar um contrato doando tudo que tenho, sou capaz de perguntar: "só isso?". Assino, achando que ela me faz um favor.
Eu sou suspeitíssimo. Confesso: esse sotaque me desarma. Certa vez quase propus casamento a uma menina que me ligou por engano, só pelo sotaque.
Os mineiros têm um ódio mortal das palavras completas. Preferem, sabe-se lá por que, abandoná-las no meio do caminho. Não dizem: pode parar, dizem: "pó pará". Não dizem: onde eu estou?, dizem: "onde queu tô."
Os não-mineiros, ignorantes nas coisas de Minas, supõem, precipitada e levianamente, que os mineiros vivem - lingüisticamente falando - apenas de uais, trens e sôs.
Digo-lhes que não. Mineiro não fala que o sujeito é competente em tal ou qual atividade. Fala que ele é bom de serviço. Pouco importa que seja um juiz, um jogador de futebol ou um ator de filme pornô. Se der no couro - metaforicamente falando, claro - ele é bom de serviço. Faz sentido...

Mineiras não usam o famosíssimo tudo bem. Sempre que duas mineiras se encontram, uma delas há de perguntar pra outra: "cê tá boa?" Para mim, isso é pleonasmo. Perguntar para uma mineira se ela tá boa é desnecessário...
Há outras. Vamos supor que você esteja tendo um caso com uma mulher casada. Um amigo seu, se for mineiro, vai chegar e dizer: - Mexe com isso não, sô (leia-se: sai dessa, é fria, etc)
O verbo "mexer", para os mineiros, tem os mais amplos significados. Quer dizer, por exemplo, trabalhar. Se lhe perguntarem com o que você mexe, não fique ofendido. Querem saber o seu ofício.
Os mineiros também não gostam do verbo conseguir. Aqui ninguém consegue nada. Você não dá conta. Sôcê (se você) acha que não vai chegar a tempo, você liga e diz: "- Aqui, não vou dar conta de chegar na hora, não, sô. "Esse "aqui" é outra delícia que só tem aqui. É antecedente obrigatório, sob pena de punição pública, de qualquer frase. É mais usada, no entanto, quando você quer falar e não estão lhe dando muita atenção: é uma forma de dizer "olá, me escutem, por favor". É a última instância antes de jogar um pão de queijo na cabeça do interlocutor.
Mineiras não dizem "apaixonado por". Dizem, sabe-se lá por que,"apaixonado com". Soa engraçado aos ouvidos forasteiros. Ouve-se a toda hora: "Ah, eu apaixonei com ele...". Ou: "sou doida com ele" (ele, no caso, pode ser você, um carro, um cachorro).
Eu preciso avisar à língua portuguesa que gosto muito dela, mas prefiro, com todo respeito, a mineira. Nada pessoal. Aqui certas regras não entram. São barradas pelas montanhas.
Por exemplo: em Minas, se você quiser falar que precisa ir a um lugar, vai dizer: - "Eu preciso de ir." Onde os mineiros arrumaram esse "de", aí no meio, é uma boa pergunta... Só não me perguntem! Mas que ele existe, existe. Asseguro que sim, com escritura lavrada em cartório.
No supermercado, o mineiro não faz muitas compras, ele compra um tanto de coisa. O supermercado não estará lotado, ele terá um tanto de gente. Se a fila do caixa não anda, é porque 'tá garrando lá na frente'. Entendeu? Se, saindo do supermercado, a mineirinha vir um mendigo e ficar com pena,suspirará:"- Ai, gente, que dó."

É provável que a essa altura o leitor já esteja apaixonado pelas mineiras... Não vem caçar confusão pro meu lado! Porque, devo dizer, mineiro não arruma briga, mineiro "caça confusão". Se você quiser dizer que tal sujeito é arruaceiro, é melhor falar, para se fazer entendido, que ele "vive caçando confusão".
Ah, e tem o "Capaz..." Se você propõe algo a uma mineira, ela diz: "capaz" !!! Vocês já ouviram esse "capaz"? É lindo. Quer dizer o quê? Sei lá, quer dizer "ce acha que eu faço isso"!? com algumas toneladas de ironia... Se você ameaçar casar com a Gisele Bundchen, ela dirá: "ô dó dôcê". Entendeu? Não? Deixa para lá.
É parecido com o "nem...". Já ouviu o "nem..."?

Completo ele fica: "- Ah, nem..." O que significa? Significa, amigo leitor, que a mineira que o pronunciou não fará o que você propôs de jeito nenhum. Mas de jeito nenhum. Você diz: "Meu amor, cê anima de comer um tropeiro no Mineirão?".
Resposta: "nem..." Ainda não entendeu? Uai, nem é nem. Leitor, você é meio burrinho ou é impressão?
Preciso confessar algo: minha inclinação é para perdoar, com louvor, os deslizes vocabulares das mineiras. Aliás, deslizes nada. Só porque aqui a língua é outra, não quer dizer que a oficial esteja com a razão.
Se você, em conversa, falar: "Ah, fui lá comprar umas coisas..."...
- Que' s coisa? - ela retrucará. O plural dá um pulo. Sai das coisas e vai para o 'que'!
Ouvi de uma menina culta um "pelas metade", no lugar de "pela metade".

E se você acusar injustamente uma mineira, ela, chorosa, confidenciará:- Ele pôs a culpa "ni mim".
A conjugação dos verbos tem lá seus mistérios, em Minas... Ontem, uma senhora docemente me consolou: "preocupa não, bobo!".

E meus ouvidos, já acostumados às ingênuas conjugações mineiras. nem se espantam. Talvez se espantassem se ouvissem um: "não se preocupe", ou algo assim.
Fórmula mineira é sintética. e diz tudo. Até o tchau, em Minas, é personalizado. Ninguém diz tchau, pura e simplesmente. Aqui se diz: "tchau pro cê", "tchau pro cês". É útil deixar claro o destinatário do tchau...

Um dia na cidade grande!

Era dia de festa!
A aniversariante escolheu comemorar na Roda de Samba!
As amigas "descontroladas" toparam na hora!
A gambazada se reuniu: o gambá rei, a gambá rainha, a porta-bandeira e a madrinha da bateria!
A questão era: o bar...
O bar não era assim um bar convencional, de pessoas "tradicionais", de situações costumeiras da pacata "falsa-cidade-grande"...
O bar era um conhecido reduto da comunidade GLS!
Os gambás estavam animadaços! Afinal para eles tanto faz o local, o público... O que importa é se eles vão conseguir trocar as pernas por mais uma noite!
Mas para "eles" não era bem assim...




Zé Lelé e Chico Bento!
Temerosos eles foram junto pra festa com a gambazada. Não dava pra ficar de fora. Eles são jeca, mas eles são jóia! E matuto que é matuto não dá ponto sem nó! Eles não seriam doidos de deixarem suas "Rosinhas" sozinhas.
Mas era o dia da Roda de Samba. E seria diferente. Os dois foram avisados que não aconteceria nada de anormal: "Dia de samba é tranquilo. É tudo normal. Podem ficar tranquilos!"
E de olhos arregalados eles entraram no bar...
Da gambazada eu nem preciso falar. Foram entrando, pedindo cardápio, escolhendo a cerveja, a vodka, o refrigerante (pra acompanhar a vodka!) e assumiram seus postos no "bloco".
Já os matutos...
De cara um vira pro outro e diz:
- Nó! Olha ali! Eu juro! Ele era meu amigo! Ele era homem! Será?!
- Ah! Já era! Olha a mãozinha!
E a turma subiu para o mezanino.
A Rosinha percebendo que poderia ser divertido assutar um pouco mais os primos me solta:
- Chico! Toma conta do meu copo! Aqui eles costumam colocar "bala" na bebida da gente!
Chico apavorado observa Rosinha virando e falando alguma coisa para as amigas... (Ela contava sobre sua extrepolia! E as amigas riam!)
E o samba comendo desembolado, quando de repente Zé Lelé, sentadinho no sofá, ao lado do amigo, meio que escondido pra não criar "conflitos", cutuca Chico Bento:
- Óia procê vê!
- Nó!!! Mas são dois homens?!
- Misericórdia!
E de lá eles não saíram. E por lá ficaram. Um protegendo o outro. A cara de espanto era de assustar qualquer um! Rs! Não! Era de fazer qualquer um rir!
De longe a gente podia imaginar o que passava por suas cabeças.
- Óia ali! Quem veio!
- A namorada! (do primo)
- Uai! Será que ela vem sempre aqui? Sem ele?
- É... Ele que é um bocó de ficar lá...
- Inda bem que ele num veio cum nóis!
Mas o samba continuava. A gambazada se divertia. A festa de aniversário acontecia. A aniversariante estava feliz.
E no final da noite, depois de voltarem para casa, uns alegres, outros saltitantes, outros pedindo a morte, Rosinha ouviu Chico dizendo sozinho:
- É, Chicó! Tu nunca viu isso!

(É Chicó! E só tá começando!!!! E cuidado! Porque, segundo o Zé Lelé, isso não vai mudar nunca! Elas não vão querer mudar de vida...)

quarta-feira, 19 de março de 2008

Eu acredito em fadas!

Ela diz que não é fada...
Mas se alguém te pede pra você imaginar uma fada, o que vem na sua mente?!
Um ser dócil, elegante, educado, leve, singelo, brilhante, feminino, que fala mansinho, que age sutilmente e com toda delicadeza desse mundo.
Não é assim?!
Ah! Me esqueci dos pózinhos brilhantes e das asinhas cintilantes!
Só isso que ela não tem! Ela não tem os instrumentos físicos para voar, mas uma mente fantástica capaz de fazer as mais loucas viagens desse mundo!
Ela diz que sua vida não é um conto de fadas...
Pode até não ser, porque a vida de nenhum ser real é um conto da Disney!
Mas é a vida dela, então “A Vida é Bela”!
E ainda bem que sua vida é real! Porque já pensou que vidinha mais sem graça, com jardinzinhos, bichinhos saltitantes, princesas cantarolando o tempo inteiro, sem falar nos anões, nos dragões, nas cordas feitas de tranças, nos bosques, nas espetadas na agulha, sem falar no sapatinho de cristal! Aquilo deve doer o pé que é uma loucura!
Se bem que do lobo mau a gente bem que gosta! Porque ele come quem tem medo do lobo mau! Rs!
O príncipe dela não tem cavalo branco, tem cavalo marrom, pintadinho, e até com carrapato, lá no Maripá. O príncipe dela não usa aquelas roupinhas caretas de alfaiates, nem cabelinho engomado com gel, mas a roupa dele é apertadinha! Hahahahaha! E o cabelo? Bem... Já foi um dia! Ela diz que o seu príncipe tá mais pra Bafo de Onça! (Ela que diz isso!)
Mas ele é sim o príncipe dela. Que esquenta seu pezinho frio na noite. Que lhe protege. Que lhe faz sentir a pessoa mais importante desse mundo. Que lhe tirou de um sono profundo e lhe mostrou os dias mais belos dessa vida!
Eu tive o privilégio de encontrar essa fadinha há 12 anos. Brinco que “nossos destinos foram traçados no ponto de ônibus da Getúlio Vargas”! E ali naquele ponto, naquelas longas idas e vindas para a Universidade eu já podia sentir que não nos afastaríamos mais.
A gente estudou... a gente se formou... ela fez até outra faculdade e debandou pra outro caminho profissional... Começamos a trabalhar... Encaramos nossa vida adulta... E por incrível que pareça estamos juntas até hoje! E com uma ajudinha do destino os últimos meses vieram para afirmar, reafirmar e confirmar a nossa amizade! A gente não se desgruda mais! Sabemos tudo uma da outra e um pouco mais. Eu até tô correndo o risco de “pegar” o sobrenome dela! Hahahahahaha! Brincadeira! Mas parente eu já sei que vou ser de qualquer jeito, porque “cumadres” são parentes, sô!
Amiga! Há anos te desejo que seus sonhos sejam realizados e torço para que alguns deles já tenham sido! Mas além de sonhos realizados, te desejo que você nunca deixe de sonhar! Nunca deixe a vida se “desencantar”! Que você continue sendo fada... princesa... que seu príncipe seja seu eterno e verdadeiro companheiro e que sua vida continue acontecendo depois do “e viveram felizes para sempre”. E que a gente possa um dia sentar numa cadeirinha de balanço (será que na roça?!) e contar a melhor história de nossas vidas – a nossa história!
Te amo!

terça-feira, 18 de março de 2008

Os Sinais...

Diante da turbulência que tenho passado nos últimos tempos, eu rezei e pedi um sinal.
E veio...
Acessando o blog Paulo Coelho - Mensagem do Dia estava lá:

DA CONCENTRAÇÃO
Postado por Paulo Coelho em 18 de Março de 2008 às 00:50

Tenha absoluta certeza que Deus jamais abandona seus filhos. Se ele nos fez sonhar com algo, também nos deu as ferramentas para realizar este sonho.
Saiba pedir sua ajuda. Peça uma coisa de cada vez – e depois aprenda a decifrar os sinais que mostram o caminho de seu tesouro.
Saiba concentrar-se naquilo que deseja de verdade – esqueça todos os outros pequenos desejos que aparecem no caminho.
Pense bem antes de pedir. Mas, quando souber o que quer, vá até o fim. Agüente as conseqüências, apanhe com os erros, pague o preço. Atravesse o deserto das desilusões e da incompreensão.
Deixe os outros dizerem que você enlouqueceu, que aquilo não é possível. Lembre-se que, no fundo, foi uma força mais poderosa que plantou este desejo em seu coração.

Agora... Entendam como quiserem...
Boa noite!

Manual do adepto a beber socialmente

Coisas que são DIFÍCEIS de dizer quando você está bêbado:
- Indubitavelmente.
- Preliminarmente.
- Proliferação.
- Inconstitucional.

Coisas que são EXTREMAMENTE DIFÍCEIS de dizer quando você esta bêbado:
- Especificidade.
- Transubstanciado.
- Verossimilhança.
- Três tigres.

Coisas que são TOTALMENTE IMPOSSÍVEIS de dizer quando você está bêbado:
- Puta merda que menina feia!!!
- Chega, já bebi demais.
- Sai fora, você não é o meu tipo...

COMO AGIR:
SINTOMA: Pés frios e úmidos.
CAUSA: Você está segurando o copo pelo lado errado.
SOLUÇÃO: Gire o copo até que a parte aberta esteja virada para cima.

SINTOMA: Pés quentes e úmidos.
CAUSA: Você fez xixi.
SOLUÇÃO: Vá trocar a calça.

SINTOMA: O chão está embaçado.
CAUSA: Você está olhando para o chão através do fundo do seu copo vazio.
SOLUÇÃO: Compre outra cerveja ou similar.

SINTOMA: As pessoas falam e você ouve um misterioso eco.
CAUSA: Você está com o copo de cerveja na orelha.
SOLUÇÃO: Largue mão de ser palhaço.

SINTOMA: A parede a sua frente está cheia de luzes.
CAUSA: Você já caiu de costas no chão.
SOLUÇÃO: Posicione seu corpo a 90 graus do solo.

SINTOMA: O chão começa a se mover.
CAUSA: Você está sendo carregado ou arrastado.
SOLUÇÃO: Pergunte se estão te levando para outro bar.

SINTOMA: O local ficou completamente escuro.
CAUSA: O bar fechou.
SOLUÇÃO: Peça para o garçom te ensinar o caminho de casa.

SINTOMA: O motorista do táxi é um elefante cor-de-rosa.
CAUSA: É pura bebedeira.
SOLUÇÃO: Peça ao elefante que o leve para o hospital mais próximo.

SINTOMA: A danceteria se move muito, muitas luzes piscam e a música é muito repetitiva.
CAUSA: Você está em uma ambulância.
SOLUÇÃO: Não tente dançar que é coma alcoólico.

SINTOMA: Uma luz forte está cegando seus olhos.
CAUSA: Já é meio dia e você está largado na grama do jardim.
SOLUÇÃO: Vá trabalhar vagabundo que já é segunda feira.

SINTOMA: Você está olhando um espelho que se move.
CAUSA: Você está bem posicionado para vomitar em uma latrina.
SOLUÇÃO: Atole o dedo na garganta.

SINTOMA: Seu quarto está rodando.
CAUSA: Isso prova que você já está em casa.
SOLUÇÃO: Espere sua cama passar, agarre-a, deite e vá durmir “Pau D’água”.

(Fonte: Internet - Especificamente email da Carlinha! Minha amiga bêbeda!!!!)

A difícil arte de viver...

Como é difícil a arte de aceitar...
Aceitar o outro... aceitar os erros do outro... aceitar os conselhos dos outros... aceitar que a sua vida seja de certa forma orientada, ou até vivida, por outros...
E como é mais difícil ainda a arte de ser aceito...
Do jeito que você é, com seus defeitos, com seus milhões de defeitos, com suas escolhas, com seus erros...
Plagiando um blog alheio, "é muito mais fácil aceitar o perfeito, pois a perfeição nada cobra, nada exige, já vem pronta...
Mas a perfeição deve ser tão sem graça quanto as comidas congeladas. Bonito, grande e nobre é aceitar 'apesar de'... "
Como é difícil viver num mundo rodeado de fantasmas... O fantasma do medo, da insegurança, da incerteza, da possibilidade de se cometer o mesmo erro novamente...
Como é difícil viver num mundo povoado por olhares condenadores... Olhares que você não quer aceitar e que te perseguem...
Como é difícil viver uma vida imperfeita enquanto tudo que te cobram é a sua perfeição...
Como é difícil viver sem ter uma Bola de Cristal!

sexta-feira, 14 de março de 2008

Elogio!

O marido se olha no espelho e diz para a esposa:
- Estou tão feio, gordo, acabado! Preciso de um elogio...
E a esposa responde:
- A tua visão está ótima!!!!

quinta-feira, 13 de março de 2008

Amigos Virtuais

Acho que eu já disse algumas vezes, se não aqui, pessoalmente, o quanto eu acho incrível esse mecanismo que é a internet, que não só é essa fonte de informação e comunicação, como também um instrumento de aproximação de pessoas.
Seja através dos programas de bate-papo, seja através de sites de relacionamentos ou até mesmo através dos blogs sempre existe a possibilidade de você fazer novos amigos.
Nossos amigos virtuais!
Eu já tenho vários! De vários cantos.
E o engraçado é que ao mesmo tempo que existe essa distância física, existe uma aproximação de valores, de crenças, de gostos. Existe uma troca de experiência que não é material, mas que muito nos enriquece.
Pode até parecer carência ou incapacidade de ser fazer amigos reais, mas eu acredito que é mais do que isso. Acho que essas amizades, muitas vezes, nos levam a lugares onde jamais pensaríamos estar.
Com a Valéria, eu vivo em Vila Velha – ES e ela já até me levou pra Londres!
Com o Eduardo, Poá – RS parece estar aqui do lado.
A Sara me deu o maior susto esse ano, quando no dia 1º de fevereiro me ligou para desejar Feliz Aniversário! E ainda me chamou para passar o Carnaval subindo as ladeiras de Olinda - PE e curtindo as praias de Recife – PE.
E ainda tem o Carlos – RJ e o Carlos Eduardo – SP, que são os meus alívios durante as tardes entediantes no escritório.
Com o Blog também não foi diferente. Sem querer vão surgindo novas amizades. De um singelo comentário acabamos invadindo diariamente as páginas alheias desses novos amigos e dos amigos dos amigos e acaba tudo virando uma bagunça boa! Dá até vontade de reunir todo mundo num lugar só, dessa vez físico!, e bater longos papos. A May nos traria notícias do Pará (será?!), a Cin traria de algum lugar (ainda não consegui descobrir de onde!), o Heber contaria ao vivo os casos engraçados de João Pessoa – PB e o Daniel os casos curiosos e intrigantes de Salvador - BA. Na verdade, quem me inspirou escrever esse post hoje foi o Dan. Ele me fez um desafio: de apresentarmos aos nossos leitores, que acabamos de descobrir que são de vários lugares desse mundão de meu Deus!, um pouco do nosso Estado – no meu caso Minas Gerais. E depois de escrevermos nossas impressões sobre o Estado alheio – no caso do Dan a Bahia!
O desafio tá topado, Dan! Mas sem data de expiração, ok?!
Em breve, amigos leitores, vocês verão nossos textos aqui e lá no Exclamações!.
E por que não vocês também não embarcam com a gente nessa aventura?!



Dan, por hora uma “homenagem” para nós!

Ponta de Areia
Composição: Milton Nascimento & Fernando Brant

Ponta de Areia ponto final
Da Bahia-Minas estrada natural
Que ligava Minas ao porto do mar
Caminho de ferro mandaram arrancar
Velho maquinista com seu boné
Lembra do povo alegre que vinha cortejar
Maria fumaça não canta mais
Para moças flores janelas e quintais
Na praça vazia um grito um ai
Casas esquecidas viúvas nos portais

Esse é o cara!

video

segunda-feira, 10 de março de 2008

O Bloco



Era quarta-feira de Cinzas e estávamos almoçando:
- Meninas! Vocês gostaram?
- Nossa foi fantástico!
- Nunca me diverti tanto!
- A gente podia montar um bloco pro carnaval do ano que vem! É muito legal!
Epa! Epa! Epa! Bloco?! Carnaval?! Ano que vem?!
Eu ainda não tinha nem saído da última ressaca carnavalesca e já estávamos pensando no próximo carnaval...
E dali em diante sempre voltamos a tocar nesse assunto.
O bloco?! Não faço a mínima idéia se vai sair ou não!
Mas se fosse pra escolher um nome isso já estaria escolhido:
"Bloco da Gambazada"!
Porque já fomos "Gatos Pobres", mas agora haja cachaça pra essa galera!

Minha turma... Minha vida!


Minha turma é assim:

- Cerveja? ... é na taça de cristal;
- Guardanapo? ... é papel toalha dobrado;
- Peixe? ... é filé de tilápia empanado e frito;
- Saleiro? ... com muito grão de milho junto do sal pra tirar a umidade;
- Coca-cola? ... só se for a original no copo de girafinha;
- Cachaça? ... a do avô, mas na garrafa de Chivas!;
- Copinho pra cachaça? ... roubado... é... de um bar... nossa amiga era a "gambazinha" da noite e roubou... Ou melhor, levou de lembrança!
- Local para uma reunião? ... é em qualquer um que duas ou mais pessoas animadas quiserem escolher;
- Dia da semana? ... Sábado, Domingo ou qualquer outro que tenha feira;
- Programa? ... Ah! Aí é o problema!

Porque primeiro não vai ser nada porque tá todo mundo cansado. Aí no minuto seguinte rola um milkshake pra passar o tempo. Antes de irmos embora surje a idéia do peixe frito.
Aí fica: vamos pra casa da Tiça... Não vamos pra casa da Iaiá... Não vamos pra casa da Tiça...

Tudo pronto, começa a gritaria! Porque a gente não conversa, a gente grita:
- Liga pro Sandrão!
- Manda a Iaiá descer!
- Ana ajuda a arrumar a mesa!
- Marco tempera o peixe!
- Tiça põe um som maneiro!
E começa a comilança do peixinho!

De repente:
- Vamos pra minha casa! Ainda dá tempo de pegar uma piscina!
- Mas vai chover!
- Mas tá muito quente!
- Mas já estamos aqui! Vamos deixar pra sair bonitinho de noite!
- Ah! Não vamos de uma vez! Pode ser que não role "noite"!
- É! É melhor a gente emburacar direto!
- Tá! Mas eu quero pegar meu biquini em casa!
- Tá bem! As meninas vão na frente! Os meninos passam no supermercado!
- Deixa a cerveja pra pedir na hora! Disk Cerveja!
E sai todo mundo correndo...

E lá na Iaiá, começa tudo de novo:
- Liga pro Hilton e pra Taty!;
- É! E pro Evandro e pra Francis!
- Lembraram do Emerson e da Mariana?
- E o Chico Bento?
- O Marlon já tá subindo!
- Ow! Liga antes pro Disk Cerveja se não a gente seca!
- Hahahahahahahah! Tchibum!

E lá se foi mais um sábado... Porque por ali ficamos... Metemos o pé na jaca! Os dois!
E hoje no MSN a gente se encontra e diz: Ué?! Onde cê tava?! Porque você sumiu ontem?!
Será que alguém aguentava alguma coisa no domingo?!

Essa é minha turma... essa é minha vida... um bando de "gambás" loucos!
Do jeito que eu gosto! Do jeito que me faz feliz!

P.S. E pra vocês não dizerem que eu estou inventando essa turma, dêem só uma olhada neste post: 10 Motivos Porque Eu Amo os Meus Amigos!

É... tem hora que a gente se pergunta porque é que não se junta tudo numa coisa só?!

Nossa Oração!


Senhor me ajude a nunca desistir de ser mulher.
Coloque um espelho no meio do meu caminho entre a lavanderia, o supermercado, o sapateiro...
E que, ao me olhar, eu goste do que vejo.
Não deixe que eu passe uma semana sem usar batom bem vermelho, uma bota bem alta ou um jeans bem justo. Proteja meus cabelos do vento, os brincos e anéis dos olhares invejosos.
Nunca deixe faltar na minha vida comédias românticas e boas depiladoras.
Se eu tiver vontade de chorar, faça com que eu chore um dilúvio. E que tenha saído de casa sem pintar o olho.
Para cada dia triste, me dê uma vitrine com sapatos lindos.
Já que eu nunca pedi milagres, faça que minhas celulites sejam ao menos discretinhas. Me dê saúde, tempo livre, e silêncio...
E que nunca falte perfume na minha bolsa.
Nos engarrafamentos, faça com que eu ligue o rádio e esteja tocando minha música preferida.
Me dê forças para comer mais saladas, mais frutas.
Cegue meus olhos para as sujeiras dos cantos.
Ajude para que eu chegue do trabalho inteira.
Em dias difíceis, me dê persistência para seguir na dieta.
Dê também firmeza para os seios...
Proteja minhas poucas horas de sono e não me julgue mal caso eu não acorde na hora.
Não deixe que minha testa fique tão franzida a ponto de parecer uma saia plissada.
E eu, uma louca estressada.
Faça com que o sol seja meu personal trainer, meu complexo de vitaminas, meu carregador de bateria...
Mas quando eu pedir um diazinho de chuva, não pergunte por quê.
Para cada batata quente no trabalho, me dê um café recém-passado.
Entenda que, quando rezo para cancelarem uma reunião não é gastar reza à toa, pode ter certeza.
No meio de tudo isso, faça com que eu ache tempo para:
Jantar fora,
Ir ao cinema,
Virar namorada de novo,
Dormir abraçadinha...
Ilumine o espelho do banheiro e proteja meus cremes e segredos...
Ajude a não faltar gasolina e não furar o pneu e, por favor, afaste os motoqueiros do meu retrovisor.
Senhor, por pior que seja o meu dia...
Faça com que ele termine,
E não eu. Amém!
(Autor Desconhecido - Infelizmente! Porque a gente tinha que parabenizá-lo! Rs!)

sábado, 8 de março de 2008

Sobre ontem à noite

Eu juro! Esse post foi escrito a mão (e caneta!), às 20h06 de ontem. E agora está sendo transcrito pra cá!
Podem rir! Sou uma lunática mesmo... Que trabalhão!
Mas eu tenho que dividir esse momento com vocês...

É noite de sexta-feira... E adivinhem? Estou presa no escritório! Socoooooorro! Todo mundo já foi embora há duas horas atrás e a marketeira aqui ainda teve que dar conta da distribuição de flores pelo "Dia Internacional da Mulher". E se ferrou. Ferrou nada! Fudeu mesmo!
(Se eu pudesse eu matava aquela louca que queimou o sutiã!)
Mas por que eu ainda estou presa se o som já tá rolando? (Happy Hour do shopping!) E se as flores já foram distribuídas?
Porque tá caindo um temporal lá fora e eu estou, "salva" por uma lâmpada de emergência (a energia caiu... a minha também já vai por saco!), agarrada aqui no escritório escrevendo um post.
Escrevo porque estou ansiosa, porque quero ir embora, quero começar o final de semana (vou trabalhar amanhã! Aff!), porque tô de TPM, porque não consigo ficar quieta, porque até agora meus amigos não conseguiram decidir o que vamos fazer. Porque preciso de um banho, preciso de uma cerveja, preciso ficar descalça (isso eu posso agora!).
Escrevo porque assim o tempo passa, a chuva pára... Escrevo porque quero pensar em outra coisa que não seja: "Por que ninguém decide nada? Nunca! Por que fica pra última hora?".
Não vou pensar... não vou pensar... Vou escrever... vou escrever... respirar... acalmar...
A luz voltou! Mas continuo presa... A chuva não quer parar...
Já são 20h20! Parece sacanagem! O celular avisa: serviço limitado - somente ligações de emergência. Ei! TIM! Qualquer ligação nessa altura do campeonato é emergência!
Jesus! Me salva!

(20 minutos depois eu consegui ir embora. Ou melhor consegui descer para a praça de alimentação. Porque o Marco e a Tiça já estavam lá. Num chopp! E de lá fui direto pra casa... Enfim pro meu banho... Enfim pra outra sexta-feira em casa... Mas essa é uma outra história!)


sexta-feira, 7 de março de 2008

A volta das letrinhas...

Parte da humanidade é infeliz... Por opção!!!
Enquanto a parte boa da humanidade se preocupa com a evolução, essa outra parte retrógrada só pensa em se "auto-destruir" e prejudicar uma outra parte inocente.

Vou dar um exemplo: o homem vem e cria esse incrível mecanismo que é a internet, essa fonte de informação e comunicação disponível às pessoas com idéias e culturas diferentes, que nos permite sim uma evolução da humanidade, que facilita nossos contatos pessoais, nossas pesquisas, nossos crescimentos e até mesmo nossas "criações". Daí vem um sujeito infeliz e, talvez se justificando usar a "liberdade de expressão", inventa o tal Spam (pra não falarmos dos criadores de Vírus). Esses indivíduos ficam nos enchendo com esses incômodos incovenientes e o que antes era só em nosso correio eletrônico agora também invadem os nossos blogs.

Não se assustem amigos (reais e virtuais!). Não são vocês que nos alegram diariamente com seus comentários! São uns infelizes que se registram, deixando comentários do tipo:

Fulano disse:
See Here or Here

Vocês já devem ter visto coisa desse tipo em algum blog. Esse "here" sempre está linkado, sabe-se lá pra onde, e eu não acho legal me colocar ou colocar vocês em risco, caso algum "descuidado" acesse esse link e vá para uma página publicitária chula ou acabe pegando um vírus.

Sendo assim o meu momento de "utilidade pública" do dia é a VOLTA DAS LETRINHAS. Sei que muitos de vocês acham um saco ter que antes de publicar seus comentários digitar letrinhas aleatórias que aparecem na caixa de postagem. Mas isso ajudará a reduzir o spam de comentários. E vocês me ajudaram a "poupar" amigos desavisados ou destraídos!

Quem ficar com preguiça, pode comentar pessoalmente, tá?! Mas acho que essa luta vale a pena!

Ufa! Acordei estressada! Pensando nessa asneira! Até levantei antes da hora! Só para não deixar essa idéia fugir!

Estou mais aliviada... Acho que vou tirar um cochilo...

quinta-feira, 6 de março de 2008

Momento Cultural

Tocando em Frente
(Almir Sater e Renato Teixeira)

Ando devagar porque já tive pressa
E levo esse sorriso porque já chorei demais
Hoje me sinto mais forte, mais feliz quem sabe
Só levo a certeza de que muito pouco eu sei
Ou nada sei

Conhecer as manhas e as manhãs,
O sabor das massas e das maçãs,
É preciso amor pra poder pulsar,
É preciso paz pra poder sorrir,
É preciso a chuva para florir

Penso que cumprir a vida seja simplesmente
Compreender a marcha e ir tocando em frente
Como um velho boiadeiro levando a boiada
Eu vou tocando dias pela longa estrada eu vou
Estrada eu sou

Conhecer as manhas e as manhãs,
O sabor das massas e das maçãs,
É preciso amor pra poder pulsar,
É preciso paz pra poder sorrir,
É preciso a chuva para florir

Todo mundo ama um dia todo mundo chora,
Um dia a gente chega, no outro vai embora
Cada um de nós compõe a sua história
Cada ser em si carrega o dom de ser capaz
E ser feliz

Conhecer as manhas e as manhãs
O sabor das massas e das maçãs
É preciso amor pra poder pulsar,
É preciso paz pra poder sorrir,
É preciso a chuva para florir

Ando devagar porque já tive pressa
E levo esse sorriso porque já chorei demais
Cada um de nós compõe a sua história,
Cada ser em si carrega o dom de ser capaz
E ser feliz

Conhecer as manhas e as manhãs,
O sabor das massas e das maçãs,
É preciso amor pra poder pulsar,
É preciso paz pra poder sorrir,
É preciso a chuva para florir

quarta-feira, 5 de março de 2008

Eterno Retorno

A Gaia Ciência
(Nietzche)

E se um dia ou uma noite um demônio se esgueirasse em tua mais solitária solidão e te dissesse:
"Esta vida, assim como tu vives agora e como a viveste, terás de vivê-la ainda uma vez e ainda inúmeras vezes: e não haverá nela nada de novo, cada dor e cada prazer e cada pensamento e suspiro e tudo o que há de indivisivelmente pequeno e de grande em tua vida há de te retornar, e tudo na mesma ordem e sequência - e do mesmo modo esta aranha e este luar entre as árvores, e do mesmo modo este instante e eu próprio. A eterna ampulheta da existência será sempre virada outra vez - e tu com ela, poeirinha da poeira!".
Não te lançarias ao chão e rangerias os dentes e amaldiçoarias o demônio que te falasses assim?
Ou viveste alguma vez um instante descomunal, em que lhe responderías:
"Tu és um deus e nunca ouvi nada mais divino!"
Se esse pensamento adquirisse poder sobre ti, assim como tu és, ele te transformaria e talvez te triturasse: a pergunta diante de tudo e de cada coisa:
"Quero isto ainda uma vez e inúmeras vezes?"
pesaria como o mais pesado dos pesos sobre o teu agir! Ou, então, como terias de ficar de bem contigo e mesmo com a vida, para não desejar nada mais do que essa última, eterna confirmação e chancela?

terça-feira, 4 de março de 2008

Pra ficar fácil!

Aproveitando a "dica" de uma amiga...

Ainda ontem em pleno expediente:
- Ana! Corre aqui pra você ver! (Muitos risos!)



(Essa garota é uma peça raríssima! Todo mundo merecia ter uma companheira de trabalho assim!
Táta! Sou tua fã!)

Adeus...


Tava lá num post...

"Viver é estar sempre preparado para dizer adeus. Entretanto a natureza é sábia. Cura a alma da mesma maneira com que cura o corpo.
Passamos por três estágios da doença do adeus. O primeiro é a negação: isto não é verdade!
Depois vem o desespero, a revolta: era verdade! Tal coisa nunca podia acontecer comigo!
Finalmente, vem a aceitação: bem, era verdade, aconteceu, agora é preciso seguir adiante!
Se vivermos cada uma destas etapas, sem vergonha, sem tentar cortar caminho, a natureza se encarregará de fechar a ferida. Mas ela precisa do mesmo ingrediente que é necessário para curar os males do corpo: tempo."

E num outro post uma "amiga" dizia sobre suas perdas... e sobre o fôlego de continuarmos vivos!

E ainda: uma amiga nessa mesma semana diz pra outra amiga: "A vida é feita de ciclos. E um ciclo só termina quando tem outro se iniciando... É a lei da vida! A porta não tá fechando. A página tá simplesmente virando... Mas ela continua lá, fazendo parte do livro da nossa vida. VAI DÁ TUDO CERTO, TENHO CERTEZA."

Daí eu fico pensando: que vida doida! A cena repete... a cena se inverte! e a gente continua aqui... E sempre foi assim... E sempre será... E que bom que a gente tá aqui! E que bom que isso tudo acontece! E que maravilha é viver! Que bom que pessoas vêm... Que bom que pessoas vão! Que bom que tem gente nesse mundo! Gente igual a mim! Gente igual a você! Gente que sofre, gente que ri, gente que chora, gente que ama, gente que luta... Gente que vive!
Adeus! Eu tô começando de novo!

domingo, 2 de março de 2008

Aquarela...

Se eu tivesse tinta e pincel, paleta e cavalete, e uma tela, eu pintava a minha vida!
Pintava uma vida bem colorida!
Com longos finais de semana, desde que fossem finais de semana de verdade!
Com amigos, tias e sobrinhas, de verdade e emprestadas, amores, amantes e afins!
Com festas, com gargalhadas...
Com cerveja, pastel e churrasco, com BIS, bala toffe e Coca-Cola (tradicional!), com tonel de cachaça "roubada" do pai!
Com música, pra dançar, pra curtir, pra cantar, pra rir, pra chorar, pra namorar...
Com notícias infinitamente sensacionais de que pequeninos seres que ainda virão a esse mundo pertencerão ao meu coração de uma maneira mais do que especial, ainda mais se for uma pequenininha!
Com olhares, cheiros e toques que conseguem quebrar qualquer "mal-encanto"!
E até pintava alguns borrões... bem no cantinho da tela... pra que eu pudesse me lembrar que o "errado" precisa existir pra que a gente possa engrandecer (e agradecer!) o "certo"!
Trecho de "Aquarela"
(Toquinho)

Numa folha qualquer
Eu desenho um navio
De partida
Com alguns bons amigos
Bebendo de bem com a vida...
De uma América a outra
Eu consigo passar num segundo
Giro um simples compasso
E num círculo eu faço o mundo...
Um menino caminha
E caminhando chega no muro
E ali logo em frente
A esperar pela gente
O futuro está...
E o futuro é uma astronave
Que tentamos pilotar
Não tem tempo, nem piedade
Nem tem hora de chegar
Sem pedir licença
Muda a nossa vida
E depois convida
A rir ou chorar...
Nessa estrada não nos cabe
Conhecer ou ver o que virá
O fim dela ninguém sabe
Bem ao certo onde vai dar
Vamos todos
Numa linda passarela
De uma aquarela
Que um dia enfim
Descolorirá...

Turma! Valeu a pena!
Fazemos questão de nossas amizades sim! E por isso vamos longe!