terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Um momento...

Muita coisa na cabeça...
A cabeça cheia...
Ideias e ideais saltitantes, lutando entre si, travando uma batalha louca dentro da menina...
E a menina, que fala sem parar, que ri de tudo e de todos, se encontra quieta, distante, concentrada, pensativa...
Ela não entende como consegue segurar essa vontade louca de falar, de colocar pra fora tudo o que está dentro dela...
Mas segura porque é uma mistura de acontecimentos embaraçosos e embaraçados...
Vê coisas que ninguém vê... É constantemente surpreendida por fatos inacreditáveis... Sente coisas que ninguém sente... Porque são coisas só dela...
Ela pode até dizer que é culpa do "inferno astral", mas, apesar de altamente mística, a menina não bota fé em inferno astral, já que o dela acontece sempre num momento muito legal do ano...
Mas é engraçado... porque ela gosta disso tudo... Gosta desse momento...
Tudo parece estar fora de ordem, fora do lugar, mas ela gosta disso...
A menina se sente numa dimensão diferente... e não consegue explicar...
A menina não consegue explicar, mas gosta...
É uma sensação de um armazenamento gigantesco de energia dentro dela, que ora ela acha que é fonte de fortalecimento, ora acha que essa energia vai explodir a qualquer instante...
Mas ela gosta...
Tudo desajeitado... e a menina tenta se ajeitar com suas trilhas, que falam com ela... Que falam por ela...

Quase Sem Querer
(Renato Russo)

Tenho andado distraído
Impaciente e indeciso
E ainda estou confuso
Só que agora é diferente
Estou tão tranquilo
E tão contente...

Quantas chances desperdicei
Quando o que eu mais queria
Era provar pra todo o mundo
Que eu não precisava
Provar nada pra ninguém

Me fiz em mil pedaços
Pra você juntar
E queria sempre achar
Explicação pro que eu sentia
Como um anjo caído
Fiz questão de esquecer
Que mentir pra si mesmo
É sempre a pior mentira

Mas não sou mais
Tão criança, oh! oh!
A ponto de saber tudo...

Já não me preocupo
Se eu não sei por que
Às vezes o que eu vejo
Quase ninguém vê
E eu sei que você sabe
Quase sem querer
Que eu vejo
O mesmo que você...

Tão correto e tão bonito
O infinito é realmente
Um dos deuses mais lindos
Sei que às vezes uso
Palavras repetidas
Mas quais são as palavras
Que nunca são ditas?

Me disseram que você
Estava chorando
E foi então que eu percebi
Como lhe quero tanto...

Já não me preocupo
Se eu não sei por que
Às vezes o que eu vejo
Quase ninguém vê
E eu sei que você sabe
Quase sem querer
Que eu quero
O mesmo que você...

4 comentários:

ju disse...

Eu só queria dizer pra essa menina que entendo. Momentos nossos são momentos nossos e quem está em volta tem q respeitar os sentimentos e vontades alheias. Os sentimentos e vontades da menina...

Mas reafirmo: ESTAMOS AQUI. ESTOU AQUI!!! Para quando você explodir ou quando simplesmente der vontade de falar. E se não quiser falar nada... estou aqui para um abraço, um olhar, um sorriso, um café... O QUE VOCÊ QUISER!

Neste momento, me sinto comovida, pois há anos não tenho tanta certeza como agora de QUEM SÃO OS MEUS AMIGOS; DE QUEM SÃO AS PESSOAS QUE EU QUERO NA MINHA VIDA!!! E minha maior vontade é gritar isso pra eles!

AMO-TU, TATU! FICA NA MINHA VIDA? ESTOU COM VOCÊ! No silêncio e na palavra, no sorriso e na gargalhada... SEMPRE!

patmattos disse...

Minha menina amiga! Confesso que seu silêncio me corrói por dentro e torna a vida mais sem graça... mas se vc tá dizendo que precisa dele, eu me calo tb! E continuo ao seu lado esperando a hora que o sorriso voltar daquele jeito de sempre pq eu tenho certeza que ele volta... Será que falta muito papai Smurf??? Volta logo pq esse corpo não te pertence! Rsrsrs! As coisas têm se embaraçado sim, mas acredite que nenhum de nós perdeu a ponta do novelo... nem vc, nem eu, e nem ninguém. Amo vc e acho que vc tem certeza disso... pode falar o que quiser e quando quiser... e acredite tb que o que é nosso tá guardado... claro que não precisava tá tão bem enterrado, mas acho que deve tá curtindo pra chegar bem gostoso como o coquinho dos gambás! kkkk! A gente ainda vai rir mto de tudo isso... pq quando acabar a gente senta e chora!

waltinho maddalena disse...

ana!

tão bom q foram esses dias encontrar vc! por acaso, ou sem acaso! me avisem qdo forem para uma farrinha, que eu tb gosto bem!

esse blog é do meu pai! da livraria! pai moderno o meu né?!
de vez em qdo vc entra para dar uma espiada!
mtos beijos mari

Click disse...

Boa!